Pular para o conteúdo principal

Dilma, didática: Como o governo toma de sua conta de luz para pagar compra de votos


Blog do Joaquim reproduz matéria publicada no blog Viomundo sobre a privatização da Eletrobras. Dilma denuncia a venda do patrimônio publico nacional para cobrir rombo provocado por Temer no Orçamento. E mostra que os investimentos feitos no setor elétrico já foram pagos pelo consumidor. No momento de repassar os  benefícios desses investimentos ao consumidor, o governo golpista vai repassar este patrimônio a iniciativa privada. O consumidor vai pagar de novo. Confere a matéria aqui.

O meu governo, em 2012, fez a MP- 579, transformada na Lei 12.783, estabelecendo o regime de quotas.

As usinas hidrelétricas que, em 2015, tivessem sua prorrogação do prazo de concessão concluída, tendo auferido, no mínimo 40 anos de concessão, repassariam a parcela dos custos de investimento aos consumidores.

Isso se daria por meio de cotas, restando nas tarifas apenas os custos de operação e manutenção.

É bom esclarecer que as concessões vencidas já tinham sido renovadas em 1995.

Como a lei e os contratos só prevêem uma renovação, ao ser encerrado o prazo, em 2015, para a amortização dos custos de investimento era necessário repassar a redução à conta de luz do consumidor.

Por isso, a necessidade das cotas e de sua transferência, de justiça e direito, para a população.

O mercado sempre é muito cioso do estrito respeito aos contratos quando se trata de defender seus direitos.

E isso é correto. Mas deve sê-lo também quando se trata de contratos que beneficiam a população.

As cotas representam um retorno legítimo e contratual para os brasileiros, que pagaram pelas usinas hidrelétricas.

O merecido respeito e todas as garantias legais lhes são devidos. Fazer diferente instaura, além da insegurança energética, a insegurança jurídica.

O impacto das cotas se traduz numa significativa redução no valor da conta de luz dos consumidores cativos, daqui para frente.

O conjunto da população brasileira é o grande beneficiário. E isso porque uma usina tem seus custos pagos pelas tarifas de energia que decorrem de uma parcela relativa à amortização do investimento feito para sua construção, mais uma outra parcela relativa aos custos da sua operação e manutenção.

Assim, a grosso modo, a energia agora cobrada do consumidor pela Eletrobras por conta das usinas já amortizadas seria de R$ 40/MWh, enquanto o preço de mercado da energia não amortizada é de R$ 150/MWh, ou seja, os milhões de consumidores brasileiros devem receber uma cuta equivalente a R$110/MWh.

O que o governo ilegítimo quer é se apropriar desses R$110/MWH por usina, vendendo-as pelo valor de R$150/MWh para o investidor internacional e os grandes fundos financeiros.

Primeiro, aumenta os valores das usinas já amortizadas para R$150,00/MWh; na sequência, faz um leilão de todas por esse preço, mais um valor de outorga.

Com isso, obtém um caixa para cobrir o rombo do orçamento, usado para comprar os votos da impunidade.

Quem vai pagar esse verdadeiro roubo e rombo? Os brasileiros, consumidores e cidadãos, vão pagar os R$150/MWh mais o valor da outorga.

O País vai ter sua soberania e sua segurança energética ameaçadas, ao permitir que sua joia da coroa energética seja transferida para investidores internacionais ou fundos financeiros.

As grandes empresas de engenharia, possíveis investidoras nacionais, estão desmanteladas.

O pior é que esse roubo será contínuo no tempo, pois essa será a regra que pretendem tornar vigente a partir de agora.

O pato amarelo não quer pagar imposto, não quer pagar sequer o imposto sobre dividendos, herança ou grandes fortunas. Impostos que os países desenvolvidos pagam.

Quer continuar jogando nas costas dos trabalhadores e da classe média o grosso da carga tributária do País.

Por isso, vão apelar para o aumento das tarifas de energia elétrica, onerando a conta de luz dos consumidores.

A cobiça deles não tem limites. A privatização da Eletrobras é a oportunidade para pôr as mãos e tornar exclusivamente suas as riquezas que todos nós construímos.

Postagens mais visitadas deste blog

UMA HOMENAGEM A QUEM TANTO SE DEDICOU A ARTE E A CULTURA DE PIMENTA BUENO

Após nove anos de sua inauguração e sem condições de ser entregue a população, o Centro Cultural Antônio Augusto Neves foi reinaugurado nesta quinta feira, (23/11/2017). A reinauguração fez parte do rol de atividades e da programação que comemorou os 40 anos de emancipação político administrativo de Pimenta Bueno.
Dentre as tantas pessoas que sonharam e que esperaram por esta inauguração de fato, uma não estava presente, Valdinar de Souza Ferreira, uma das referências no meio artístico e cultural de Pimenta Bueno que perdeu a vida em um acidente de transito em julho de 2012 sem ver este projeto concluído.
Em meio a tantos homenageados e tantos agradecimentos às pessoas e autoridades que trabalharam e lutaram para que a cidade tivesse um espaço dedicado à arte e a cultura, Valdinar enfim foi lembrado e homenageado pela Vereadora Jordana Ferreira. Jordana fez questão de registrar  sua dedicação e amor pela arte e a cultura e lembrou  sua luta quase que  solitária em favor deste seguimen…

HUMOR - Amo ocê !

Declaração de amor a moda mineira.

Ocê é o colírio du meu ôiu.

É o chicrete garrado na minha carça dins.
É a mairionese du meu pão.
É o cisco nu meu ôiu (o ôtro oiu - eu tenho dois).
O rechei du meu biscoito.
A masstumate du meu macarrão.

Nossinhora!
Gosto dimais DA conta docê, uai.
Ocê é tamém:O videperfume DA minha pintiadêra.
O dentifriço DA minha iscovdidente.
Óiprocevê,
Quem tem amigossim, tem um tisôru!
Ieu guárdêsse tisouro, com todu carinho ,
Du Lado isquerdupeito !!!
Dentro do meu Coração!!!


AMO Ocê, uai!!!
Fassa favô de mandar pra todos seus amigus du coração
incrusive eu!!!


BRIGADO PELO CARIN cumqueu sempre pude contá!!!!

Contribuição da minha amiga Lucia.

A FAMÍLIA DO BRUNO E DA VANESSA AGORA ESTÁ COMPLETA, O MIGUEL CHEGOU

A chegada de um filho é sempre um momento único. Ainda mais quando é tão esperado como foi o caso do Miguel. Uma multidão de pessoas, amigos do casal Bruno e Vanessa estão em estado de graça por este acontecimento. Tivemos  a oportunidade, eu e Matilde,  de estar com eles em Alta Floresta à exatos  seis dias da chegada do Miguel e também de estar no Hospital São Paulo em Cacoal no dia em que ele nasceu. Registrei estes dois momentos que com certeza, serão inesquecíveis. O sorriso na cara e a batida do coração dava para ouvir e sentir à distância. Somente quem viveu o que eles estão vivendo sabe o tamanho desta emoção.