Postagens

Mostrando postagens de Outubro 17, 2013

Marlene Parra deixa o PT e deve ficar fora da disputa de 2014

Imagem
A ex-militante e vereadora do PT em Pimenta Bueno Marlene Parra deve ficar fora da disputa eleitoral do ano que vem. Marlene que foi candidata a Vice-prefeita na chapa PSB/PT nas eleições municipais do ano passado acaba de comunicar  sua saída do Partido dos Trabalhadores.   
Segundo informações ainda não confirmadas por este blogueiro pimentense, Marlene pretendia disputar uma cadeira na Assembléia Legislativa pelo PDT de Acir Gurgaz mas apesar de ter comunicado seu pedido de desfiliação ao PT, a pretensa candidata não conseguiu que seu novo partido o PDT, enviasse sua nova filiação ao cartório eleitoral dentro da data limite de filiação para quem pretende participar das eleições de 2014. 
O PT que esperava contar com a candidatura de sua ex-militante, vai agora trabalhar uma nova opção para representar o partido na busca por uma cadeira na Assembleia Legislativa do ano que vem. O Dep.  Padre Ton que contava com a colaboração de Marlene Parra como sua assessora direta em Pimenta Bueno …

Oposição perde um quarto da bancada na Câmara

Desde a posse, PSDB, DEM e PPS perderam 29 deputados para outras legendas e viram a bancada oposicionista ser reduzida a 82 nomes. PSB e PDT também encolheram com o troca-troca partidário Em três anos de legislatura, a criação de quatro novos partidos resultou em uma desidratação de praticamente todos os partidos na Câmara, mas atingiu, sobretudo, a oposição. O surgimento do PSD, dos novatos Pros e Solidariedade (SDD) e até do diminuto PEN acelerou otroca-troca partidárioneste período, já que a criação de legendas é uma das causas admitidas pela Justiça Eleitoral para um parlamentar mudar de agremiação partidária sem perder o mandato. Mas, até agora, quem mais sofreu foi a oposição, que começou em 1º de fevereiro de 2011 com 111 empossados e chegou aos 82 atuais. Ou seja, os oposicionistas perderam um em cada quatro integrantes desde o começo da atual legislatura na Câmara.
Fonte: Congresso em Foco