É DIFÍCIL RECONHECER O ERRO, MAS EU ERREI

Errei quando pensei, que o governo golpista iria fazer uma média com os batedores panelas, a torcida uniformizada da CBF, aos que homenagearam Eduardo Cunha e trocaram a foto do seu perfil pela foto de Sergio Moro, o herói dos hipócritas.

Errei quando pensei que o governo golpista faria um governo de transição, melhor que os 13 anos de Lula e Dilma, utilizaria de todos os recursos disponíveis, maioria no Congresso, 400 bilhões de reservas cambiais, complacência da mídia golpista e maioria no Congresso para aprovar medidas que estancasse a crise, gerasse emprego e recuperasse a confiança do povo no governo e na economia,

Errei quando pensei que o governo ilegítimo aprovaria um saco de bondade para ganhar confiança e eleger um tucano por meio de eleições livres e democráticas.

Errei quando pensei que somente um governo nascido das urnas, teria coragem e legitimidade para revogar direitos, entregar o petróleo, as terras e as empresas públicas para multinacionais estrangeiras e contrárias aos interesses nacionais, como deseja o PSDB.

ERREI FEIO.  O Governo ilegítimo e golpista meteu a faca nas costas do povo sofrido, manipulado e usado pelo os movimentos de extrema direita, fascista golpista no dia seguinte a consolidação do golpe.

Pelo menos nisso ele foi honesto. Não fez média nenhuma. As propostas para revisão das normas constitucionais, para adequá-las ao modelo do golpe foi articulada e encaminhada ao congresso imediatamente:  Congelamento dos gastos públicos por 20 anos, terceirização, reforma da Previdência e da CLT, demissões incentivadas e sem incentivos, fim de políticas púbicas e desemprego em massa. Tudo isso para que? Para pagar a conta do golpe.

 E você meu que bateu panelas, foi as ruas em nome da moralização do país e viu o poder central ser ocupado por um presidente delatado e 8 ministros denunciados por corrupção tem todo o direito de   indignar-se novamente.


Dia 28/04/2017 tem revanche. Mostre a eles que você também errou, que reconhece seus erros e que irá corrigi-los em favor dos seus direitos  e de seus familiares.