Pular para o conteúdo principal

Kennedy: a trapaça de Maia para salvar Temer e Cunha

Governo e Câmara tentam salvar Cunha; Meirelles se enfraquece

Marcar a votação da cassação do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para uma segunda-feira, dia 12 de setembro, no meio das eleições municipais, é uma clara articulação para facilitar a vida do ex-presidente da Câmara.

Será um escândalo realizar essa votação num dia de baixa presença no Congresso Nacional. Como são necessários 257 votos dos 513 deputados para que Cunha seja cassado, essa data é um presente para o peemedebista e um tapa na cara da sociedade diante da quantidade de acusações graves que pesam contra ele.

Mais: mostra que o governo e boa parcela da Câmara temem segredos que Cunha possa tornar públicos. Aprovar o impeachment de Dilma e dar a Cunha a chance de escapar confirma o uso de dois pesos e duas medidas e reforça a tese de um golpe parlamentar contra a petista.

É inusual marcar a votação para uma segunda-feira, porque cassações são geralmente votadas às quartas, dia de maior quórum no Congresso. Aliás, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está quebrando uma promessa de votar a cassação num dia de presença alta no plenário, a fim de evitar que seja responsabilizado por eventual salvação de Cunha. Maia mudou o discurso pressionado pelo governo, que não assume isso publicamente, e por líderes partidários comprometidos com os segredos que dividem com o ex-presidente da Câmara.

Marcar a votação da cassação para depois do impeachment de Dilma permitirá o discurso de que seria melhor deixá-lo responder às acusações da Lava Jato com o mandato de deputado federal a fim de não criar tumulto na economia. Deixar Cunha como um problema apenas do Supremo Tribunal Federal é uma covardia da Câmara dos Deputados.

Essa votação deveria ter sido marcada para esta semana ou para a próxima, como sugeriu Rodrigo Maia quando se elegeu presidente da Câmara. Mas ele deu sinais de que embarcou na articulação para salvar Cunha.

Postagens mais visitadas deste blog

UMA HOMENAGEM A QUEM TANTO SE DEDICOU A ARTE E A CULTURA DE PIMENTA BUENO

Após nove anos de sua inauguração e sem condições de ser entregue a população, o Centro Cultural Antônio Augusto Neves foi reinaugurado nesta quinta feira, (23/11/2017). A reinauguração fez parte do rol de atividades e da programação que comemorou os 40 anos de emancipação político administrativo de Pimenta Bueno.
Dentre as tantas pessoas que sonharam e que esperaram por esta inauguração de fato, uma não estava presente, Valdinar de Souza Ferreira, uma das referências no meio artístico e cultural de Pimenta Bueno que perdeu a vida em um acidente de transito em julho de 2012 sem ver este projeto concluído.
Em meio a tantos homenageados e tantos agradecimentos às pessoas e autoridades que trabalharam e lutaram para que a cidade tivesse um espaço dedicado à arte e a cultura, Valdinar enfim foi lembrado e homenageado pela Vereadora Jordana Ferreira. Jordana fez questão de registrar  sua dedicação e amor pela arte e a cultura e lembrou  sua luta quase que  solitária em favor deste seguimen…

HUMOR - Amo ocê !

Declaração de amor a moda mineira.

Ocê é o colírio du meu ôiu.

É o chicrete garrado na minha carça dins.
É a mairionese du meu pão.
É o cisco nu meu ôiu (o ôtro oiu - eu tenho dois).
O rechei du meu biscoito.
A masstumate du meu macarrão.

Nossinhora!
Gosto dimais DA conta docê, uai.
Ocê é tamém:O videperfume DA minha pintiadêra.
O dentifriço DA minha iscovdidente.
Óiprocevê,
Quem tem amigossim, tem um tisôru!
Ieu guárdêsse tisouro, com todu carinho ,
Du Lado isquerdupeito !!!
Dentro do meu Coração!!!


AMO Ocê, uai!!!
Fassa favô de mandar pra todos seus amigus du coração
incrusive eu!!!


BRIGADO PELO CARIN cumqueu sempre pude contá!!!!

Contribuição da minha amiga Lucia.

A FAMÍLIA DO BRUNO E DA VANESSA AGORA ESTÁ COMPLETA, O MIGUEL CHEGOU

A chegada de um filho é sempre um momento único. Ainda mais quando é tão esperado como foi o caso do Miguel. Uma multidão de pessoas, amigos do casal Bruno e Vanessa estão em estado de graça por este acontecimento. Tivemos  a oportunidade, eu e Matilde,  de estar com eles em Alta Floresta à exatos  seis dias da chegada do Miguel e também de estar no Hospital São Paulo em Cacoal no dia em que ele nasceu. Registrei estes dois momentos que com certeza, serão inesquecíveis. O sorriso na cara e a batida do coração dava para ouvir e sentir à distância. Somente quem viveu o que eles estão vivendo sabe o tamanho desta emoção.