Pular para o conteúdo principal

E SE VOCÊ DE FATO CONHECESSE JESUS, VOCÊ O AMARIA MESMO? ACEITARIA MESMO? SEGUIRIA MESMO?

Jesus chega, ainda desconhecido, a um vilarejo da Baixa Galileia. Observado pelos olhos frios e duros dos camponeses, que vivem no nível da subsistência, há tempo suficiente para saber exatamente qual é a linha que separa a pobreza da miséria. Ele parece um mendigo, porem faltam-lhe o medo nos olhos, o gemido na voz e o andar arrastado. Ele fala das Leis de Deus e eles ouvem muito mais por curiosidade do que por qualquer outra coisa. 

Eles conhecem tudo sobre leis e poder, sobre reinos e impérios, mas conhecem em termos de imposto e dívida, de subnutrição e doença, de opressão agrária e possessão demoníaca. O que eles querem realmente saber é o que esse Reino de Deus pode fazer por uma criança que manca, por um pai cego, por uma alma demente que grita a tortura do seu isolamento entre os túmulos que demarcam os limites da vila? 

Jesus anda com eles até as tumbas, e no silêncio, após o exorcismo, as pessoas do vilarejo ouvem suas palavras mais uma vez, mas agora a curiosidade da lugar ao desejo, ao medo e ao constrangimento. Ele é convidado como manda a honra, para a casa do líder do vilarejo. Ele vai, entretanto, ficar na casa de uma mulher sem posses. Não muito apropriado certamente, mas seria imprudente censurar um exorcista, criticar um mágico. A vila ainda poderia intermediar seus poderes para as cidades vizinhas, poderia dar a esse Reino de Deus uma localização, um lugar no qual os outros viriam procurar a cura, um centro com horas e patrocínio suficiente para todos, até mesmo, talvez, para aquela mulher sem posses.

Mas no dia seguinte ele os deixa e eles questionam, em voz alta, um Reino divino que não respeita os protocolos adequados, um Reino como ele havia dito, não somente para os pobres como eles, mas para os miseráveis.

Alguns dizem que os piores e mais poderosos demônios não se encontram nos vilarejos, mas em certas cidades. Talvez sugerem, o demônio exorcizado tenha ido para lá, para Séforis ou Tiberíades, ou mesmo para Jerusalém, ou talvez para a própria Roma, onde sua chegada dificilmente seria notada entre tantos outros ali existentes. Mas alguns não dizem absolutamente nada, e ponderam a possibilidade de alcançar Jesus ante que ele se afaste muito.

O movimento do Reino foi o programa de Jesus para dar poder a um campesinato que se tornava cada vez mais duramente pressionado pelas taxações insistentes, dividas permanentes que culminavam com a expropriação de terras, tudo no contexto da crescente comercialização da economia colonial em expansão no Império Romano sob a paz Augusta e na Baixa Galileia sob a urbanização de Herodes. Jesus viveu, apesar da injustiça sistêmica e da maldade estrutural daquela situação uma alternativa aberta a todos quantos a aceitasse: uma vida de cura aberta e de divisão de alimentos, de falta de teto programática e de igualitarismo fundamental, de contato humano sem discriminação e de contato divino sem hierarquia. OS aforismos e parábolas de Jesus histórico frequentemente descreve um mundo de igualdade radical no qual a discriminação, a hierarquia, a exploração e a opressão não mais deveria existir.

Observa-se ao ler os evangelhos de Jesus que ele propunha cura gratuita e alimentação aberta.

Pense por exemplo na parábola sobre O Banquete, em que o servo finalmente convida todas as pessoas que encontra, de modo que homens e mulheres, casados e solteiros, escravos e livres, puros e impuros, ricos e pobres possam todos se juntar e comer na mesma mesa. 

Ele também morreu por esta alternativa.

Do livro, O ESSENCIAL DE JESUS de JOHN DOMINIC CROSSAN

Postagens mais visitadas deste blog

UMA HOMENAGEM A QUEM TANTO SE DEDICOU A ARTE E A CULTURA DE PIMENTA BUENO

Após nove anos de sua inauguração e sem condições de ser entregue a população, o Centro Cultural Antônio Augusto Neves foi reinaugurado nesta quinta feira, (23/11/2017). A reinauguração fez parte do rol de atividades e da programação que comemorou os 40 anos de emancipação político administrativo de Pimenta Bueno.
Dentre as tantas pessoas que sonharam e que esperaram por esta inauguração de fato, uma não estava presente, Valdinar de Souza Ferreira, uma das referências no meio artístico e cultural de Pimenta Bueno que perdeu a vida em um acidente de transito em julho de 2012 sem ver este projeto concluído.
Em meio a tantos homenageados e tantos agradecimentos às pessoas e autoridades que trabalharam e lutaram para que a cidade tivesse um espaço dedicado à arte e a cultura, Valdinar enfim foi lembrado e homenageado pela Vereadora Jordana Ferreira. Jordana fez questão de registrar  sua dedicação e amor pela arte e a cultura e lembrou  sua luta quase que  solitária em favor deste seguimen…

HUMOR - Amo ocê !

Declaração de amor a moda mineira.

Ocê é o colírio du meu ôiu.

É o chicrete garrado na minha carça dins.
É a mairionese du meu pão.
É o cisco nu meu ôiu (o ôtro oiu - eu tenho dois).
O rechei du meu biscoito.
A masstumate du meu macarrão.

Nossinhora!
Gosto dimais DA conta docê, uai.
Ocê é tamém:O videperfume DA minha pintiadêra.
O dentifriço DA minha iscovdidente.
Óiprocevê,
Quem tem amigossim, tem um tisôru!
Ieu guárdêsse tisouro, com todu carinho ,
Du Lado isquerdupeito !!!
Dentro do meu Coração!!!


AMO Ocê, uai!!!
Fassa favô de mandar pra todos seus amigus du coração
incrusive eu!!!


BRIGADO PELO CARIN cumqueu sempre pude contá!!!!

Contribuição da minha amiga Lucia.

A FAMÍLIA DO BRUNO E DA VANESSA AGORA ESTÁ COMPLETA, O MIGUEL CHEGOU

A chegada de um filho é sempre um momento único. Ainda mais quando é tão esperado como foi o caso do Miguel. Uma multidão de pessoas, amigos do casal Bruno e Vanessa estão em estado de graça por este acontecimento. Tivemos  a oportunidade, eu e Matilde,  de estar com eles em Alta Floresta à exatos  seis dias da chegada do Miguel e também de estar no Hospital São Paulo em Cacoal no dia em que ele nasceu. Registrei estes dois momentos que com certeza, serão inesquecíveis. O sorriso na cara e a batida do coração dava para ouvir e sentir à distância. Somente quem viveu o que eles estão vivendo sabe o tamanho desta emoção.